Apneia do Sono

A articulação temporomandibular (ATM) está localizada à frente do ouvido e é responsável pelos movimentos executados pela mandíbula. Condições como artrite, estresse, tensão muscular e bruxismo podem provocar desgastes, responsáveis pelo surgimento das disfunções de ATM (DTM).
Embora, na maioria dos casos, não se saiba a causa definitiva do problema, as DTMs possuem fatores de risco. Entre eles estão o uso prolongado de aparelhos ortodônticos, má postura, estresse, má alimentação e falta de sono.
O problema é mais frequente em mulheres com idades entre 20 e 40 anos, mas pode ocorrer com qualquer pessoa. O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique), normalmente acompanhado por dor de cabeça, face, pescoço, olhos e dentes.

A apneia é um distúrbio caracterizado pela parada respiratória momentânea e involuntária que ocorre durante o sono. Não é fatal, não chega a despertar, mas sobrecarrega o organismo como um todo, causando fadiga, sonolência e cansaço durante o dia.
O paciente com ronco ou apneia do sono pode não perceber o problema. Por isso, trata-se de uma patologia progressiva e pouco diagnosticada. Muitos pacientes são conduzidos ao especialista pelo cônjuge ou por pessoas com quem convivem e que percebem o problema.
Estima-se que cerca de 4% das mulheres e 9% dos homens adultos sofram de apneia do sono, sendo que sua prevalência é maior entre os obesos e maiores de 35 anos.
As consequências da apneia vão além das noites mal dormidas e do incômodo entre parceiros de quarto. Aumento de peso, propensão a doenças cardiovasculares, perda da libido e falta de concentração, também são problemas causados pela síndrome. Além disso, estudos apontam que o distúrbio está associado ao aumento na incidência de infartos do miocárdio, derrames cerebrais e arritmias cardíacas.

Sintomas
Entre os sintomas mais comuns estão:
• Ronco (que pode ser excessivamente alto);
• Episódios visíveis de interrupção da respiração;
• Sono excessivo durante o dia;
• Sensação de sufocamento durante o sono;
• Boca seca;
• Espasmos da laringe.

Tratamento
O tratamento pode ser clínico, com a ajuda de aparelhos, ou cirúrgico. Entre os procedimentos que podem ser indicados está a cirurgia ortognática, principalmente quando o problema está relacionado às más-formações faciais.