Cirurgia Ortognática

Que o rosto é nosso grande cartão de visita e a parte do corpo que todos olham primeiramente, ninguém pode negar. Por isso, a estética facial de alguns anos para cá vem sendo muito valorizada. Segundo o cirurgião buco-maxilo-facial Dr. Gustavo Tralli, único especialista em Cirurgia Buco-Maxilo-Facial com concentração em Cirurgia Ortognática do Alto Tietê, longe de ser uma questão única e exclusivamente estética, alterações como o prognatismo (queixo para frente), o retrognatismo (queixo para trás) e o excesso vertical maxilar (sorriso gengival) são deformidades do rosto que fogem ao conceito de beleza e entram em um quesito bem mais sério: o da saúde.

Mais do que desestabilizar a autoestima e, muitas vezes, fazer com que a pessoa nem se quer saia de casa, estas alterações ósseas da face geram problemas funcionais, como dores de cabeça, alterações no sono, interferências na mastigação, na deglutição, na digestão e na fala.

Mas quem pensa que a solução para harmonizar os maxilares com as outras partes da face e, assim, sanar estes problemas é a realização de uma cirurgia plástica está muito enganado. Existe uma técnica totalmente individualizada que corrige a oclusão (mordida), a função das articulações têmporo-mandibulares (articulação mandibular) e a respiração, além de os resultados proporcionarem uma imagem totalmente diferente da que se via anteriormente. Este procedimento, que reposiciona os maxilares em sua posição ideal é chamado de Cirurgia Ortognática. O procedimento cirúrgico já é antigo e, nos últimos anos, as inovações atenuaram as dificuldades impostas aos pacientes, que antigamente permaneciam com a boca amarrada após a operação e tinham a alimentação restrita a líquidos pelo período de até 45 dias.

Hoje, além de os resultados funcionais e estéticos serem muito mais significativos, o paciente tem normalmente uma recuperação muito mais rápida e segura, recebendo alta hospitalar muitas vezes até no mesmo dia da cirurgia e voltando às suas atividades normais em 15 dias.